A MORTE, uma etapa da vida que precisa ser vencida | Ensinando de Sião

Artigos e estudos

A MORTE, uma etapa da vida que precisa ser vencida

Por Marcelo M. Guimarães

Dentro do contexto bíblico-judaico, o homem não foi criado ou programado por D’us para morrer. Estudando Bereshit (Gênesis), torna-se claro o desejo de D’us quando criou o homem para que este refletisse Sua imagem e Sua semelhança para sempre (Gen 1:26), participando da criação, dominando sobre a terra, louvando e adorando o Criador. D’us é um D’us dos vivos e não dos mortos. A morte, em hebraico, “mavet”, origina-se do verbo “mut” morrer, palavra esta que não se limita somente a seres humanos. Na bíblia, morte é tudo aquilo que separa de D’us. Uma vez que o propósito de D’us para os nossos primeiros pais era uma vida eterna (que jamais acabasse), a introdução da morte foi um resultado indesejável, mas necessário pela desobediência. A corrupção física do corpo humano, o sofrimento e a dor trazidos pela “queda” ( pecado) são apenas sintomas óbvios da morte, conseqüência  desta fatal separação. Morte no conceito hebraico não se aplica somente à morte humana, mas à muitas outras coisas que levam à separação de D’us. Se D’us é vida, nele não há morte.O próprio profeta Ezequiel diz que “D’us não tem prazer na morte de ninguém,diz o Senhor D’us; convertei-vos pois e viveis.” ( Ez 18:32). Paulo diz que o salário do pecado é a morte em Romanos 6:23, ou seja, o prêmio, o resultado, a recompensa  do pecado é a morte, ou seja, a separação radical de D’us. Deve-se entender a morte em dois aspectos: – a morte física e a morte espiritual. A morte espiritual, vida em pecado e separação da comunhão de D’us, é mais séria do que a morte física, pois a morte espiritual é eterna, enquanto a física, simplesmente um dia acaba. És pó e ao pó tornarás..(Gen3;19).

O antídoto da morte espiritual é a crença em Yeshua, Jesus, o Cristo, o Messias, o Redentor, através de quem recebemos a Vida Eterna, quando dito por João: …”D’us amou o mundo de tal maneira, que deu seu filho unigênito  para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.( Jo3;16).Ora , se existe vida eterna, existe também a morte eterna.

Há muitos crentes que tem medo da morte física. Na verdade, ela faz parte do ser humano e deve ser encarada da maneira natural. Nosso corpo se corrompe, isto é, se envelhece a cada dia e um dia irá morrer independente da nossa fé. Nossos dias estão determinados pelo Senhor que os escreveu quando fomos concebidos (Sl 139:16). Nós, pela obediência e fé, podemos prolongar nossos dias ou abreviá-los. Imaginem uma pessoa que fuma ou bebe em excesso ou come tudo que acha que pode comer,  com certeza estará comprometendo sua saúde e chamando a morte para si mais cedo.

A Bíblia nos mostra que há um lugar para os mortos, chamados Sheol ( na língua hebraica) ou Ades (na língua grega). Ambos termos são sinônimos. Nossa crença em D’us e na Bíblia nos leva a concluir que o homem nasce em pecado (separado) de D’us, mas um dia em sua vida, ele deve decidir sua escolha, ou vencer a morte pela ressurreição em Cristo Jesus, ou recusá-la e enfrentar o juízo final. Se está em Cristo, vivendo como seu discípulo e em obediência aos mandamentos do Senhor, dando frutos, este passará da morte para a vida, mesmo se morrer fisicamente, seu espírito irá para D’us, ou seja, para o Seio de Abrão, o Céu, ou Paraíso, voltando para D’us. Na volta física do Messias Yeshua haverá ressurreição no sentido literal da palavra, e aqueles que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro (I Te 4:16). Para aquelas pessoas que morrem estando já “mortos” espiritualmente, ou seja, separados de D’us e não alcançados pela Graça e Salvação em Yeshua, irão para o Sheol ou Ades aguardarem juízo final, o qual se dará somente após o reino dos salvos com Yeshua no período chamado milênio (Ap 20:6).

Se estudamos a Torá (o Pentateuco) que significa “instrução” de D’us, ou também conhecida como o livro das leis de D’us, vamos encontrar muitas coisas interessantes sobre a morte, como: não praticar a cremação, o ato de enterrar o morto o mais rápido  possível, a lavagem do cadáver, não usar de luxúria e enfeites para o morto, comprar um túmulo, etc. Há ainda boas tradições como cantar o “Kadish” que é uma oração linda de agradecimentos a D’us pela vida do morto e pelos os familiares enlutados. Mas, nunca se ora pelo morto ou para o morto, de acordo com as Sagradas Escrituras.

Em suma, se nascemos, então com certeza, podemos afirmar que um dia morreremos e passando pela morte, naturalmente. O problema não é morrer, mas saber morrer. Se morremos na fé e obediência em Cristo, passaremos da morte para a vida, imediatamente, e nosso espírito estará à destra do D’us Pai. Se não, o espírito vai para o Sheol (o lugar dos mortos) aguardar o juízo final. O Interessante notar que para ambos os casos haverá ressurreição: uns para a vida eterna, outros para a condenação eterna. Então, devemos estar preparados para ela independente se Cristo volta amanhã ou não. Nossa vida deve estar em dia com D’us, vivendo na Graça, fiéis aos seus mandamentos, estatutos e ordenanças, garantindo nossa vitória sobre as lutas diárias, pois aquele que vencer,  será “coluna” do santuário de D’us e este assentará a destra do Pai. ( Ap 3:12 e 21).

Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da Vida” ( Ap 2:10). Assim, é mais sábio investir tudo o que somos e que temos na vida (eterna) do que na morte eterna, pois, tanto a vida como a morte são eternas.

Autor:

Líder e fundador do Ministério Ensinando de Sião-Brasil e da Congregação Judaico-Messiânica Har Tzion - Belo Horizonte - MG. www.ensinandodesiao.org.br – www.tvsiao.com – www.ccjm.org.br

Conheça a nossa loja