Consolai, consolai o Meu Povo! | Ensinando de Sião

Artigos e estudos

Consolai, consolai o Meu Povo!

As palavras do profeta Isaías, proferidas há mais de 2700 anos, não poderiam ser mais oportunas. O Deus criador dos céus e da Terra proferiu, através do profeta Isaías, um mandamento atemporal, ou seja, desvinculado de sua época e válido até os dias de hoje:

“Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua milícia, que a sua iniquidade está perdoada e que já recebeu em dobro das mãos do SENHOR por todos os seus pecados.” (Is 40:1-2)

“Nachamú” (consolai), exclamou o profeta! Muitos acham que o moderno Estado de Israel, com suas cidades, seu exército e sua tecnologia, não precisa mais de consolo. Certa vez ouvi de uma pessoa a frase: “Quando Jerusalém estava desolada e os judeus dispersos pelo mundo, tínhamos que consolar a Israel. Mas agora, após o ano de 1948, os judeus é que devem consolar o mundo!”. Mal sabia esta pessoa que Israel ainda sofre e ainda está desolado, e seu povo ainda se encontra na diáspora. Apesar das cidades e da riqueza do moderno Estado, o povo de Israel ainda sofre uma diáspora moral e espiritual. Saímos da galút (diáspora), mas a galút não saiu do nosso interior!

Saio pelas ruas de Jerusalém e vejo cartazes anunciando um Messias vestido como um polonês do fim do século XIX, terno preto, barba branca, nascido na Ucrânia e morador do Brooklin (EUA), morto há quase duas décadas e que nunca sequer colocou os pés em Israel. “Iechi haMélech há Mashiach” – Longa vida ao Rei Messias!, conclama o cartaz em letras hebraicas. Observo que o judaísmo ortodoxo em Israel trouxe a diáspora para dentro do território santo, trazendo costumes estranhos ao povo e às raízes desta terra.

 

Poster do rabino Schneerson nas ruas de Jerusalém: “Vida longa ao Rei Messias”!

 

Ando pelas calçadas já de noite e vejo jovens se drogando e dançando pelas ruas as mesmas músicas das boates de Nova Iorque, Londres ou Paris. Vejo casais homossexuais desfilando livremente por Jerusalém, em uma demonstração de total descaso e desrespeito com o local que Deus escolheu como morada eterna da Sua habitação e da Sua glória (II Cr 7:16). Como se não bastasse, os jornais e os noticiários estão sempre repletos de assassinatos, escândalos entre políticos e também entre religiosos (o número de rabinos ortodoxos que são acusados de pedofilia e abuso sexual aumenta a cada dia em Israel).

Quais seriam as palavras do profeta Isaías se visse a realidade de sua cidade após 2700 anos? Acho que com certeza ele repetiria: “Consolai, Consolai o meu povo!”. Israel precisa do consolo do Espírito de Deus, da intercessão e do clamor dos santos mais do que jamais precisou! Sinto que muitos aqui sonham em ser uma nação como qualquer outra nação, um povo como qualquer outro povo.

 

Parada Gay realizada nas ruas de Jerusalém

 

Muitas igrejas e missões cristãs enviam missionários a Israel para tentar mudar de alguma forma a presente situação. O problema é que apresentam para o povo judeu um Messias tão estranho a Israel quanto o rabino do Brooklin. Querem que Israel reconheça a Jesus, filho de Maria, como seu tão esperado Messias. Um Messias de aparência européia e vestes romanas, loiro e de olhos azuis, que fala latim e cuja capital de seu reino se encontra em Roma. Um Messias sem vínculos com o povo judeu ou com Israel, que veio instituir uma nova religião chamada “cristianismo”, a qual foi responsável por muito ódio e perseguição ao povo judeu. Se você fosse judeu, prezado leitor, aceitaria este Jesus como o enviado do seu Deus para o seu próprio povo?

Mas o Senhor nosso Deus enviou Seu próprio filho, Yeshua, da descendência de Davi, que nasceu, cresceu, viveu, morreu e ressuscitou em Israel como judeu! Nas palavras do justo Simeão, ele é “luz para revelação aos gentios, e para glória do Teu povo Israel”! (Lc 2:32). Ele é o Messias que veio para o Seu povo, anunciando o verdadeiro relacionamento com o Deus de Abraão, Isaque e Jacó através da obediência aos Seus mandamentos, estendendo as bênçãos dadas a Israel para os gentios através do conhecimento e da guarda de certos princípios e valores legados a Israel. Este Messias veio para servir como oferta vicária para os nossos pecados, para que através do seu sacrifício tivéssemos não apenas o perdão, mas a transformação do nosso interior, do nosso coração, fazendo com que a Lei de Deus fosse também escrita em nosso coração, exatamente como anunciado pelos profetas de Israel (Jr 31:33). Ele veio anunciar as “boas novas” a Israel primeiramente, e depois às nações, apregoando que a Salvação da parte de Deus está disponível para o que crê e obedece de coração. Qualquer um que anuncie um Messias que rejeitou a Israel como povo escolhido, não está anunciando um verdadeiro Messias. Yeshua veio fazer com que Israel cumprisse seu papel de ser luz para as nações e bênção para as famílias da Terra. O Filho de Davi não veio rejeitar o povo de Israel, substituindo-o por outro povo e anulando tudo o que seu Pai estabeleceu com os patriarcas hebreus. Ele veio anunciar que o Reino de Deus já está às mãos mediante o evangelho, que é o poder de Deus para salvação daquele que crê, PRIMEIRO ao Judeu e também para o grego (Rm 1:16).

É esse Yeshua, caros leitores, que devemos anunciar a Israel. Acreditem, como um judeu que já morou em Israel e que ainda o visita várias vezes ao ano, posso dizer que o nosso povo precisa desse Yeshua agora mais do que jamais precisou! Orem e intercedam diariamente por Israel, e acima de tudo, dêem testemunho do que este Yeshua pode fazer por quem o recebe como Messias. Isto é o mais importante.

Na esperança do retorno do Filho de Davi,

 

Matheus Zandona

Autor:

Nascido em 1977, Matheus é descendente de Judeus com origem na Itália e em Portugal. É graduado em Comunicação Social (PUC-MG) tendo também estudado teologia com ênfase em Estudos Judaicos (EUA) e Hebraico e Cultura Judaica (Israel). Atua como professor na Sinagoga Har Tzion, em Belo Horizonte, desde 2001. Atualmente, é vice-presidente do Ministério Ensinando de Sião – Brasil, diretor do CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião), da TVSIAO.COM e um dos líderes da Sinagoga Har Tzion. Matheus é casado com Tatiane e tem dois lindos filhos, Daniel e Benjamin. (facebook.com/mzandonna)

Conheça a nossa loja