E as pedras clamarão… | Ensinando de Sião

Artigos e estudos

E as pedras clamarão…

Por Matheus Zandona

Visitar Israel deveria ser o desejo de todo discípulo de Yeshua, seja ele judeu ou não. Conhecer de perto os locais por onde passaram, viveram, morreram e lutaram nossos patriarcas é, sem dúvida, uma experiência única. Em Israel, cada monte, cada vale, cada cidade e cada ruína possuem uma riqueza histórica fenomenal. Recordo-me de minha primeira vez na Terra Santa, em 1998, quando ainda havia relativa paz com os Palestinos. Por todos os lugares os quais passávamos de carro no caminho do aeroporto de Tel-Aviv para Jerusalém, Joseph Shulam chamava minha atenção para um monte, uma ruína, um vale, onde alguém ou algo bíblico teria acontecido. Era como se houvéssemos viajado no tempo e na história, vendo os lugares e eventos dos quais tantas vezes líamos na Bíblia se tornarem reais. Pude constatar a materialização de uma paisagem que só existia em meu coração e em minha mente, gerado pelo estudo da Torá, dos Profetas e dos Escritos (incluo neste último a Brit Chadashá).

Caravana Hallel (Ministério Ensinando de Sião) no Monte Moriá – Jerusalém

A riqueza histórica de Israel é tão expressiva e notável que basta alguém observar uma paisagem qualquer de sua janela para se deparar com a história do relacionamento de um povo com o seu D-us. É como se as pedras, os montes e as ruínas contassem sua história às pessoas que as observam e as estudam. Uma história de invasões e batalhas, vitórias e celebrações, conquistas e derrotas. As pedras em Israel, ainda hoje, relatam a história do povo judeu e seu relacionamento com o D-us de Israel. E, acima de tudo, elas não se cansam de relatar para todo aquele que as vê, a história do redentor da humanidade: Yeshua Há Mashiach, o Messias de Israel.

Agora, mais interessante ainda é nos lembramos das palavras de Yeshua para alguns de seus seguidores fariseus, durante sua entrada triunfal em Jerusalém: “E, quando se aproximava da descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos passou, jubilosa, a louvar a Deus em alta voz, por todos os milagres que tinham visto, dizendo: Bendito é o Rei que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas maiores alturas! Ora, alguns dos fariseus lhe disseram em meio à multidão: Mestre, repreende os teus discípulos! Mas ele lhes respondeu: Asseguro-vos que, se eles se calarem, as próprias pedras clamarão!” Lucas 19:37-40.  Tais palavras de Yeshua têm efeito até os dias de hoje. É impossível alguém visitar a Israel nos dias de hoje sem ouvir falar de Yeshua, de sua morte e de sua ressurreição.  Realmente, é impossível alguém visitar Israel sem ouvir falar neste nome: Jesus ou Yeshua. Como calaram seus discípulos em Israel há 2000 anos, as pedras, os montes e as várias paisagens de hoje não param de clamar e contar a história do homem de Nazaré.

Os discípulos de Yeshua em Israel, após sua ressurreição, foram cruelmente perseguidos e mortos pelo império Romano. Até mesmo os cristãos se incumbiram de perseguir os poucos judeus messiânicos que restaram em Israel nos séculos posteriores, por intermédio das cruzadas. Mas Yeshua e o plano de redenção do D-us de Israel ainda seriam proclamados por todo Israel. Não mais pelos lábios dos judeus messiânicos dali, mas sim, através das pedras, das ruínas e dos locais pelos quais andou e ensinou o Messias. Como disse Yeshua: “…se eles se calarem (judeus messiânicos em Israel), as próprias pedras clamarão”.

Caravana Hallel em visita a réplica em tamanho real do Tabernáculo – Deserto do Neguév – Israel

Mas chegará o dia em que as pedras não mais clamarão! No dia em que novamente os judeus de Israel reconhecerem ao Messias a quem transpassaram e proclamarem as boas novas de Yeshua, as pedras não mais terão de clamar. Este dia já pode ser visto por qualquer um em Israel. A cada momento, os judeus messiânicos em Israel estão mais fortes e mais numerosos. Já existem mais judeus messiânicos em Israel do que jamais existiu em 2000 anos, e a mensagem do evangelho cresce a cada dia. Não o evangelho que passou pelos átrios do Vaticano, mas sim, o evangelho dos profetas e dos apóstolos, onde se tem a Torá viva e atuante no coração e na vida de cada judeu. Vivemos em dias emocionantes e cremos que muitas outras profecias ainda se tornarão vivas, diante dos olhos dos judeus em Israel e de todo mundo!

 

 P.S O Ministério Ensinando de Sião organiza caravanas anuais a ISRAEL. Temos roteiro exclusivo e fiel às raízes judaicas da fé, guias judeus-messiânicos e confraternizações com Congregações Judaico-Messiânicas locais. Para saber mais sobre a próxima Caravana, envie um e-mail para: hallel@ensinandodesiao.org.br 

Autor:

Nascido em 1977, Matheus é descendente de Judeus com origem na Itália e em Portugal. É graduado em Comunicação Social (PUC-MG) tendo também estudado teologia com ênfase em Estudos Judaicos (EUA) e Hebraico e Cultura Judaica (Israel). Atua como professor na Sinagoga Har Tzion, em Belo Horizonte, desde 2001. Atualmente, é vice-presidente do Ministério Ensinando de Sião – Brasil, diretor do CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião), da TVSIAO.COM e um dos líderes da Sinagoga Har Tzion. Matheus é casado com Tatiane e tem dois lindos filhos, Daniel e Benjamin. (facebook.com/mzandonna)

Conheça a nossa loja