O escudo (estrela) de Davi | Ensinando de Sião

Artigos e estudos

O escudo (estrela) de Davi

Maguên David
Escudo de Davi

A Maguên David (literalmente “escudo” de Davi, ou como é mais comumente conhecida, “estrela” de Davi) é o símbolo judaico que mais identifica o judaísmo dos dias de hoje. Tradicionalmente, se acredita que a estrela de seis pontas simboliza um selo ou um escudo de armas criado pelo Rei Davi. Infelizmente, não existem provas históricas nem bíblicas para apoiar tal crença. Apesar de tal fato, encontramos a maguên David esculpida em ruínas na antiga sinagoga de Kfar Nachum (Cafarnaum), na Galiléia (vide foto), o que confirma que o símbolo já era usado pelo povo judeu por volta do século II a.C.

É interessante ressaltar que a estrela de seis pontas jamais se caracterizou como um símbolo exclusivamente judaico, ao contrário da Menorá (castiçal de 7 pontas). Em regiões da Ásia menor e no sudeste da atual Índia, foram descobertas gravuras que decoravam templos pagãos datadas do séc V a.C, as quais utilizavam-se do símbolo judaico. Sabe-se, no entanto, que o símbolo era comum na região do Oriente médio no período intertestamental.

Estudiosos como Franz Rosenzweig, atribuíram profundo significado teológico ao escudo de Davi. Nota-se que ele é formado por dois triângulos, um apontando para cima, para D´us, e outro apontando para baixo, para o mundo dos homens. Rosenzweig também chama a atenção que o símbolo utilizado pelos judeus se caracteriza pelo entrelaçamento das hastes dos triângulos, não sendo estas sobrepostas. Tal inseparabilidade dos dois triângulos simboliza o povo judeu, jamais dividido e sempre unido. Os três lados do triangulo também simboliza os três tipos de judeus: Os Kohanim (sacerdotes), os Leviim (levitas) e os Israelim (os judeus das demais tribos). Outros estudiosos afirmam que o símbolo surgiu da antiga escrita do nome DAVID, formado por três letras (dálet, váv, dálet) que no hebraico arcaico se assemelhavam a dois triângulos. Apesar de todas essas teorias conterem princípios e valores teologicamente corretos, elas não podem ser afirmadas como verídicas devido à falta provas históricas e arqueológicas.

A Maguên David se tornou popular como símbolo do judaísmo quando foi adotada como o emblema do movimento Sionista em 1897, sendo mais tarde utilizada para fazer parte da bandeira de Israel. Deve-se, no entanto, deixar claro que vários sionistas como o próprio Theodor Herzl, foram contra a utilização da Menorá como símbolo do sionismo por crerem que o castiçal do templo seria “religioso” demais para a causa sionista. Grande parte dos sionistas eram ateus, e ironicamente, não queriam associar seu movimento retornista à religião judaica ou às escrituras sagradas. Depois da criação do estado de Israel, em 1948, vários judeus religiosos foram contra a adoção da Maguên David na bandeira de seu país, por saberem da falta de credibilidade quanto ao símbolo. Até os dias de hoje, a comunidade religiosa de Israel tem o desejo de ver em sua bandeira a Menorá, símbolo dado ao povo judeu pelo próprio D´us, e não um símbolo utilizado por outras culturas pagãs.

Atualmente, a Maguên David é universalmente associada ao povo judeu e ao Estado moderno de Israel.

Autor:

Nascido em 1977, Matheus é descendente de Judeus com origem na Itália e em Portugal. É graduado em Comunicação Social (PUC-MG) tendo também estudado teologia com ênfase em Estudos Judaicos (EUA) e Hebraico e Cultura Judaica (Israel). Atua como professor na Sinagoga Har Tzion, em Belo Horizonte, desde 2001. Atualmente, é vice-presidente do Ministério Ensinando de Sião – Brasil, diretor do CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião), da TVSIAO.COM e um dos líderes da Sinagoga Har Tzion. Matheus é casado com Tatiane e tem dois lindos filhos, Daniel e Benjamin. (facebook.com/mzandonna)

Conheça a nossa loja