O segredo para a felicidade segundo Einstein | Ensinando de Sião

Artigos e estudos

O segredo para a felicidade segundo Einstein

Por Rabino Benjamin Blech

Na semana passada, um comprador anônimo comprou um bilhete escrito por Albert Einstein por US $ 1,56 milhão em leilão em Jerusalém, um recorde histórico para a venda de um documento em Israel. A história por trás deste bilhete onde Einstein registrou sua perspectiva para alcançar a verdadeira felicidade é fascinante.

Foi em 1922, depois que Einstein completou seu primeiro artigo sobre sua teoria de campo unificado, que ele soube que ganhou o Prêmio Nobel de física em 1921. Em vez de ir a Estocolmo para a cerimônia de premiação habitual, Einstein sentiu a obrigação de honrar um compromisso de palestra no Japão, hospedando-se no famoso Hotel Imperial de Tóquio.

Durante a visita, um mensageiro chegou ao seu quarto com uma entrega de um pacote e Einstein, sentindo-se constrangido de não ter dinheiro japonês para dar como gorjeta, decidiu, em vez disso, escrever uma frase em um papel do próprio hotel. Ele pediu ao porteiro para aceitar gentilmente em vez de dinheiro. “Mantenha isso e talvez algum dia venha a valer alguma coisa”, disse ele. “Neste ínterim”, acrescentou Einstein, “deve servir para você como um bom conselho para o resto da vida”. Einstein escolheu oferecer uma frase de uma linha sobre o segredo da felicidade. Eis o conteúdo do bilhete:

“Uma vida calma e modesta traz mais felicidade do que a busca do sucesso combinada com a constante inquietação”.

A pessoa que colocou o bilhete à venda em 2017 é, segundo notícias, neto do irmão do menino japonês que recebeu o bilhete das mãos de Einstein. Atualmente ele mora na Alemanha. Um porta-voz da casa de leilões, Meni Chadad, disse ao The New York Times que esperava que a nota obtivesse US $ 5.000 a US $ 8.000. Quando a venda foi anunciada, ele disse, o quarto explodiu em aplausos. O bilhete foi vendido por mais de US $ 1,6 milhão! Claro que o valor da nota foi baseado em sua autoria exclusiva.

Técnico segura os bilhetes de Einstein em Jerusalém.

Técnico segura os bilhetes de Einstein em Jerusalém.

Mas seríamos culpados de uma séria falta de respeito pela mente de um gigante intelectual, se não déssemos um maior valor para o sentimento, bem como para a fonte dessa importante instrução de vida. Nem devemos ignorar o eco óbvio do conselho de Einstein no pensamento judaico e nos ensinamentos talmúdicos – ideias que podem muito bem terem ressoado com ele, quer em nível consciente ou subconsciente, por meio de sua herança judaica.

Felicidade, já foi dito, é um assunto muito sério.

Em Ética dos Pais (Pirkei Avot) encontramos o ensinamento de Rabban Gamliel: “Aquele que aumenta as posses aumenta a preocupação” (Avot, 2: 7), e Ben Zoma disse: “Quem é a pessoa feliz? Aquele que se regozija em sua porção “(Avot, 4: 1). Uma busca frenética pelo sucesso associada a um estilo de vida sem modéstia garante como resultado o oposto da felicidade. Einstein disse isso de uma maneira; Os rabinos expressaram isso de outra. Talvez, o melhor resumo do pensamento judaico seja compreender que o sucesso está em “obter o que você quer”, mas a felicidade é “querer o que você obtém”.

Estamos muito familiarizados com o ciclo vicioso da vida. Acima de tudo, queremos ser felizes. Nossa cultura continua a nos dizer que a maneira de ser feliz é ter mais dinheiro. Então, podemos comprar mais coisas que nos darão mais prazer. Quando não, nos dizem que realmente precisamos de mais dinheiro para comprar coisas maiores e melhores, então é por isso que temos que assumir mais trabalho e mais estresse – porque então seremos felizes. Acabamos então vendo cada vez menos nossa família e acumulando mais e mais posses. Aí, descobrimos que não era só Rabban Gamliel que estava certo, mas também Benjamin Franklin quando disse que: “Aquele que multiplica a riqueza multiplica lágrimas”.

Bilhete original do Hotel Imperial em Tókio. Conselho de Einstein dado em 1922 é leiloado por quase US$ 1,6 milhão

Bilhete original do Hotel Imperial em Tóquio. Conselho de Einstein dado em 1922 é leiloado por quase US$ 1,6 milhão

Na tradição judaica, há um ditado que diz que durante nossas vidas temos três amigos principais – e quando morremos, eles nos deixam exatamente na ordem inversa na qual os tratamos. Assim que a nossa alma abandona o nosso corpo, todas as nossas riquezas também desaparecem para eles. Mas famílias são mais fiéis. Eles caminham conosco até o nosso lugar de descanso final. Então, eles também nos deixam para continuar com suas vidas. É apenas o nosso nome, as boas ações que realizamos para com os outros e a influência que podemos ter sobre eles, que nos ultrapassam e nos oferecem uma parte da imortalidade.

Por mais estranho que seja, passamos a maior parte de nossas vidas perseguindo o dinheiro, gastando muito menos tempo do que deveríamos com nossas famílias e gastando tão pouco em esforços para realizar aquelas coisas pelas quais seremos lembrados! Talvez fazer fortuna não é tudo na vida. Talvez possamos nos identificar com as palavras profundas do autor contemporâneo Emile Henry Gauvreay: “Eu fazia parte dessa estranha raça de pessoas que gastavam suas vidas fazendo coisas que detestam, para ganhar um dinheiro que não querem, para comprar coisas que não precisam, para impressionar pessoas que não gostam”.

Relativamente, dinheiro e bens não são tão valiosos ou tão importantes como “uma vida calma e modesta” – uma vida julgada não por bens acumulados, mas por um legado respeitado. Essa percepção, essa capacidade de perceber a felicidade em uma perspectiva adequada é uma ilustração de uma teoria da relatividade compartilhada tanto pela Torá quanto por Albert Einstein – que realmente vale mais do que um milhões de dólares.

Autor:

Nascido em 1977, Matheus é descendente de Judeus com origem na Itália e em Portugal. É graduado em Comunicação Social (PUC-MG) tendo também estudado teologia com ênfase em Estudos Judaicos (EUA) e Hebraico e Cultura Judaica (Israel). Atua como professor na Sinagoga Har Tzion, em Belo Horizonte, desde 2001. Atualmente, é vice-presidente do Ministério Ensinando de Sião – Brasil, diretor do CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião), da TVSIAO.COM e um dos líderes da Sinagoga Har Tzion. Matheus é casado com Tatiane e tem dois lindos filhos, Daniel e Benjamin. (facebook.com/mzandonna)

Conheça a nossa loja