Artigos e estudos | Ensinando de Sião - Part 10

Artigos e estudos

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Qual o papel da igreja neste momento de crise em Israel?

Com certeza uns dos grandes propósitos é orar, orar, orar! Mas, a Igreja pode fazer muito mais do que tem feito!

Antes de orar é necessário entender um grande mistério de D’us que o diabo tenta apagar da mente dos crentes há mais de 2000 anos!

Na década de 50 creio que os profetas, homens de D’us, falaram e oraram muito por uma igreja avivada. Na década de 60 um grande avivamento pentecostal aconteceu. Jerusalém voltou depois de quase 2000 anos para as mãos dos judeus. Paralelo a esta restauração física e profética da cidade de Jerusalém, a Igreja de Jesus foi imensamente avivada.

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Preparação para as festas dos Tabernáculos

A palavra Sukot que dizer em hebraico cabanas, tendas ou tabernáculos. O singular é Suka ou cabana, tabernáculo. Na Bíblia, no livro de Levítico (23: 33:44) mostra D-us instituindo a celebração da Festa dos Tabernáculos ou também conhecida como festa das Colheitas. É uma festa de grande alegria …E vos alegrareis perante ao Senhor por sete dias…Por sete dias habitareis em tendas de ramos…para que as vossas gerações saibam que os filhos de Israel, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou o Senhor vosso D-us. (Lev 23: 40-43).

Para nós que cremos em Yeshua como nosso Messias, filho de D-us, é uma Festa muitíssimo importante porque ela fala do próprio Messias tabernaculando em nosso coração. Nos alegramos porque Yeshua mora em nós e somos um com Ele, além de sermos co-herdeiros das promessas de Abraão (Gal 3:29). Ele nos tirou do império das trevas (egito), nos resgatando, nos salvando. Em Yeshua os judeus messiânicos são reenxertados e os gentios enxertados na oliveira, conforme Romanos 11. Ou seja, judeus e gentios sendo um só corpo em Yeshua, a família de D-us. (Ef 2:11-20)

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

O judaísmo bíblico de D’us

Às vezes me pergunto: Se Deus tivesse uma religião, qual seria? Dentre as numerosas religiões existentes, quais Ele apoiaria? Será que D’us, Yeshua, Pedro, João ou Paulo teriam criado o cristianismo nas suas mais variadas vertentes? Será que D’us apoiaria todos os segmentos, conceitos e doutrinas do judaísmo contemporâneo?

Se cremos que toda a Bíblia é a autêntica palavra inspirada pelo próprio D’us, podemos, então, em uma rápida análise responder que D’us não endossaria nenhuma religião humana que estivesse fora ou fosse contradizente à Sua própria Palavra já revelada. Também, com certeza, muitos pontos e conceitos tanto do judaísmo como do cristianismo contemporâneo seriam abominados pelo Eterno de Israel, Bendito Seja!

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Israel e seus antigos inimigos, quando teremos paz?

Sempre que há um novo conflito em Israel escrevemos e comentamos algo na coluna “Terra Santa”. Creio que não há muitas novidades desta vez em relação aos comentários anteriores.

Desde o dia em que Abraão dispensou seu filho Ismael e sua mãe, a escrava Agar, pelo deserto de Sur, iniciou-se um conflito entre co-sanguíneos: árabes e judeus. Os árabes, descendentes de Ismael, e os judeus, descendentes de Isaac, o filho da promessa cujos descendentes herdariam a Terra Prometida de Canaã. Podemos dizer que neste momento teve início o conflito pelas terras. Um segundo momento no qual apareceram vários inimigos contra o povo de Israel foi quando este recebeu a Torá no Monte Sinai das mãos de Deus, passando a ser o povo da Lei. Nesta Lei encontramos mandamentos, estatutos e ordenanças, dentre as quais podemos citar: “Não terás outros deuses diante de mim… Não farás para ti imagem esculpida… Não te encurvarás diante delas… Guardarás os meus sábados…Honrarás o teu pai e tua mãe…Não adulterarás… Não matarás… Não furtarás…e mais tarde o próprio Deus proclamou: “Shemá Israel Adonai Eloheinu, Adonai Echad” que se traduz como “Ouve ó Israel, o Senhor nosso Deus é único Senhor”(Dt 6:4).

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Estamos debaixo da graça ou debaixo da lei?

Um dos pontos principais que enfocaremos nesta edição se refere a um conceito existente na igreja há centenas e centenas de anos, onde se diz: “estamos debaixo da graça e não debaixo da lei”. Realmente podemos encontrar este versículo na Carta de Paulo aos Romanos (Rm 6:14). Mas, este versículo tem sido interpretado erroneamente pelos pais da Igreja de Roma, o qual vem perpetuando no meio cristão até nos dias de hoje. Alguns crêem, por incrível que pareça, que o Antigo Testamento é um livro de lendas e história de Israel.

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Descendentes de marranos devem restaurar suas raízes

Este capítulo final será apresentado da maneira mais imparcial possível, relatando apenas fatos. O leitor, deve, então, analisá-los também de uma forma imparcial. Eu, como autor, a princípio não tenho nenhum desejo de convencê-lo a nada e nem que você creia também em nada, a não ser se for seu desejo. Apenas leia e tente encontrar respostas que possam trazer luz a certas indagações. Você pode concordar ou discordar e tem todo direito para isto. Apenas apresento os fatos e minhas pesquisas, deixando, portanto, a encargo do leitor as próprias conclusões.

18.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Como será a igreja neste milênio?

Há muita coisa correndo na mídia a respeito de como será a vida no novo milênio. A humanidade, sem dúvida, anseia por uma grande mudança. Parece que tudo precisa mudar. O homem busca sempre mais: quer na ciência, na tecnologia e desenvolvimento, na indústria, na economia, nas formas de comércio, nos sistemas de governo, nos aspectos sociais, na computação que tem trazido um estilo de vida cada vez mais virtual. Até mesmo na espiritualidade, o homem não tem ficado para trás, e muitos tem buscado e almejado uma vida mais espiritual. Mas, como fica a Igreja de Jesus neste novo milênio? Estará unida e mais forte? Estará realmente preparada para a eminente vinda do Senhor? Como está sua saúde espiritual e o que nela precisa mudar urgentemente? Ela também estará passando por radicais e grandes transformações? Eu, pessoalmente, creio que sim. Não creio que a Igreja precisa mais de reformas, mas indubitavelmente, de passar por um eficaz processo de restauração.

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Aspectos espirituais da inquisição

Recentemente o Papa João Paulo II voltou a fazer suas considerações ao reconhecer os erros do passado em relação à intolerância religiosa, por ocasião da publicação de um livro de autoria de Agostino Barromeu, professor da Universidade Católica de Sapienza-Itália. O trabalho deste autor se resume em mostrar que durante o tempo da Inquisição, que em alguns países como Portugal e Brasil chegaram a vigorar por 3,5 séculos, a Igreja Católica não foi tão carrasca e não matou tanto como ensinam todos os livros de história, pois apenas menos de 1,8% dos réus julgados foram mortos em suas fogueiras (Revista Isto É/1811 de 23/06/04). O Papa já havia pedido perdão pelos erros da Inquisição Católica no ano de 2000. Antes, porém, já havia também pedido perdão aos judeus, por ter o Vaticano se calado no período do Holocausto que ocorreu na 2a. Guerra Mundial.

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Apelo aos marranos e cristãos-novos

Finalmente, após esta apresentação, creio que estamos diante de três alternativas, se o leitor for um descendente de Marranos e Cristão-Novos:

1) Tudo o que foi dito pode ser ignorado e este descendente continuará a viver no estado em que se encontra, ou seja, alheio as promessas e o separado da Casa de Israel;

2) Se o leitor for um cristão e descobrir com certeza suas raízes judaicas, ele deve segundo a própria Bíblia, continuar crendo em Yeshua, porém, restaurar suas raízes, quanto ao seu estilo de vida, pois lembremo-nos que o Eterno tem um chamado irrevogável para os da casa de Israel e que nas Escrituras encontramos uma série de mandamentos, estatutos e ordenanças específicos para o povo hebreu. Yeshua, Paulo, os apóstolos e os discípulos viveram na Graça da Nova aliança, mas sendo fiéis e zelosos em relação a todos mandamentos da primeira aliança, não revogada por Yeshua (Mt 5:17); Se você sendo descendente de judeus dizer não a esta restauração, não estaria indiretamente dizendo não ao chamado irrevogável de D-us para os da Casa de Israel? Não temos uma fórmula para indicar nada a ninguém, a não ser deixar que cada um faça sua própria avaliação e posicione-se segundo sua própria decisão;

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

A Torá e a escolha dos representantes do povo

Os princípios da Torá estão ainda vivos. Afinal, o Pentateuco foi inspirado por Deus, escrito muitas vezes pelo próprio “dedo” Dele. Não podemos tratar a Torá, que quer dizer em hebraico, instrução, ensino, Palavra (de Deus) como algo inútil colocado num denominado “Velho” Testamento pelos pais da Igreja Cristã no século IV que já haviam abandonado quase todos os santos ensinamentos da Torá. Hoje, nós que estamos na Graça salvadora do nosso Messias Yeshua (Jesus), não podemos desprezar os princípios sábios da Torá que existem para nos proporcionar qualidade de fé, de vida e, sobretudo, para nos auxiliar no processo de restauração de nossa própria alma. “A Torá (Lei) é perfeita e restaura a nossa alma”, já dizia o salmista (Sl 19:7).