Artigos e estudos | Ensinando de Sião - Part 11

Artigos e estudos

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Aspectos espirituais da inquisição

Recentemente o Papa João Paulo II voltou a fazer suas considerações ao reconhecer os erros do passado em relação à intolerância religiosa, por ocasião da publicação de um livro de autoria de Agostino Barromeu, professor da Universidade Católica de Sapienza-Itália. O trabalho deste autor se resume em mostrar que durante o tempo da Inquisição, que em alguns países como Portugal e Brasil chegaram a vigorar por 3,5 séculos, a Igreja Católica não foi tão carrasca e não matou tanto como ensinam todos os livros de história, pois apenas menos de 1,8% dos réus julgados foram mortos em suas fogueiras (Revista Isto É/1811 de 23/06/04). O Papa já havia pedido perdão pelos erros da Inquisição Católica no ano de 2000. Antes, porém, já havia também pedido perdão aos judeus, por ter o Vaticano se calado no período do Holocausto que ocorreu na 2a. Guerra Mundial.

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Apelo aos marranos e cristãos-novos

Finalmente, após esta apresentação, creio que estamos diante de três alternativas, se o leitor for um descendente de Marranos e Cristão-Novos:

1) Tudo o que foi dito pode ser ignorado e este descendente continuará a viver no estado em que se encontra, ou seja, alheio as promessas e o separado da Casa de Israel;

2) Se o leitor for um cristão e descobrir com certeza suas raízes judaicas, ele deve segundo a própria Bíblia, continuar crendo em Yeshua, porém, restaurar suas raízes, quanto ao seu estilo de vida, pois lembremo-nos que o Eterno tem um chamado irrevogável para os da casa de Israel e que nas Escrituras encontramos uma série de mandamentos, estatutos e ordenanças específicos para o povo hebreu. Yeshua, Paulo, os apóstolos e os discípulos viveram na Graça da Nova aliança, mas sendo fiéis e zelosos em relação a todos mandamentos da primeira aliança, não revogada por Yeshua (Mt 5:17); Se você sendo descendente de judeus dizer não a esta restauração, não estaria indiretamente dizendo não ao chamado irrevogável de D-us para os da Casa de Israel? Não temos uma fórmula para indicar nada a ninguém, a não ser deixar que cada um faça sua própria avaliação e posicione-se segundo sua própria decisão;

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

A Torá e a escolha dos representantes do povo

Os princípios da Torá estão ainda vivos. Afinal, o Pentateuco foi inspirado por Deus, escrito muitas vezes pelo próprio “dedo” Dele. Não podemos tratar a Torá, que quer dizer em hebraico, instrução, ensino, Palavra (de Deus) como algo inútil colocado num denominado “Velho” Testamento pelos pais da Igreja Cristã no século IV que já haviam abandonado quase todos os santos ensinamentos da Torá. Hoje, nós que estamos na Graça salvadora do nosso Messias Yeshua (Jesus), não podemos desprezar os princípios sábios da Torá que existem para nos proporcionar qualidade de fé, de vida e, sobretudo, para nos auxiliar no processo de restauração de nossa própria alma. “A Torá (Lei) é perfeita e restaura a nossa alma”, já dizia o salmista (Sl 19:7).

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

A terra santa que nos deu a lei e a graça

Se observarmos bem, somente uma nação, uma terra e um povo do mundo nos trouxe o grande legado da Lei de Deus e, sobretudo, a Graça da salvação pela fé em Yeshua: – a terra de Israel e o povo da Bíblia, o povo hebreu.Não podemos olhar para Israel sem distinguir este grande legado para a humanidade: Imaginem um mundo, onde não se mata, não se furta, onde homens e mulheres honram seus pais e seus cônjuges, onde não há cobiça, mentira, inveja e outras coisas mais! Não estaríamos já vivendo num pequeno paraíso? Imaginem agora toda humanidade crendo no Messias, Yeshua, conquistando a vida eterna. Não estaríamos diante de uma redenção fantástica?

12.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Referendo do dia 23 de outubro de 2005

“O comércio de armas de fogo e munição dever ser proibido no Brasil? “ Primeiramente, […]