Artigos e estudos | Ensinando de Sião - Part 11

Artigos e estudos

19.04.2012 . Por Matheus Zandona Guimarães

4º Curso de Inverno do Ensinando de Sião – Entendendo a Restauração

Ocorreu na cidade de Curitiba entre os dias 28 e 31 de Julho, o 4º Curso de Inverno promovido pelo Ministério Ensinando de Sião. Anualmente, o Ministério Ensinando de Sião e sua escola teológica CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião), promovem um curso intensivo de teologia para os interessados na visão da Restauração da Igreja e de Israel. Este ano o tema escolhido foi “Entendendo a Restauração”, e todas as palestras foram ministradas para prover o entendimento teológico e profético deste verdadeiro fenômeno eclesiástico da pós-modernidade.

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

1º Congresso da Restauração em Aracajú

“…escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará.” (Hb 2:2-3)

O Ministério Ensinando de Sião em parceria com a Congregação Héssed e com o Ministério Caminho das Águas, ambos sediados na cidade de Aracaju – SE, realizou o 1º Congresso Regional sobre a Restauração da região nordeste, voltado para líderes e interessados no retorno às raízes da Fé. Muitas pessoas de vários estados da região compareceram ao evento na capital sergipana, em um clima de aprendizado e muita alegria.

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

A noiva autêntica de Yeshua

Jesus, cujo verdadeiro nome em sua língua materna é Yeshua[1] Ben Yosef, ou seja, O Deus-que-salva Filho de José, quando desta terra partiu há quase dois mil anos, deixou aqui sua noiva[2], a Igreja, dizendo que voltaria em breve para arrebatá-la[3] e celebrar com ela a Boda do Cordeiro[4]. Tão logo Yeshua se case, Ele voltará à terra em gloria já desposado com a Sua Esposa, a Igreja, para implantar de vez o Seu Reino milenar[5]. Quando Yeshua partiu após sua primeira vinda, se despediu dela, pedindo crescimento[6] e multiplicação em todas as nações. Para a nação de Israel Ele disse que voltaria quando esses dissessem: “Baruch Habá b´Shem Adonai”[7] (Bendito Aquele que vem em nome de Adonai!). O Espírito Santo tem nos mostrado que este dia se aproxima. Somente o Pai sabe esta data[8] e percebemos que Ele tem certa pressa na preparação e embelezamento dessa noiva para o Seu único Filho. Esta união dará fim a esta era quando a morte será vencida. Glória e galardão para aqueles que forem aprovados[9] neste noivado com Yeshua e juízo e condenação eterna[10]para os que não aceitaram o convite para as Bodas.

19.04.2012 . Por Matheus Zandona Guimarães

Shavuôt e a capacitação dos Santos

Estamos celebrando nesta semana a Festa de Shavuôt (Pentecostes). Shavuôt é uma das três festas de peregrinação mencionadas na Torá, além de Páscoa (Pêssach) e Sucôt (Tabernáculos). Nestas festas, judeus e não judeus de todas as partes do mundo se reuniam em Jerusalém para adorar ao Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

19.04.2012 . Por Matheus Zandona Guimarães

A Igreja tomando posse de sua herança

No último dia 18 de abril judeus e não judeus de todo o mundo celebraram a Festa de Pêssach (Páscoa) em memória à saída do Egito. Páscoa é a festa que marca o início do calendário bíblico de Israel e delimita as datas de todas as outras festas na Bíblia. Páscoa (Pêssarr, em hebraico) significa literalmente “passagem” (pois o Senhor “passou” sobre as casas dos filhos de Israel, poupando-os. Ex 12:27). É uma FESTA instituída por Deus como um memorial para que os filhos de Israel jamais se esquecessem que foram escravos no Egito, e que o próprio Deus os libertou com mão poderosa, trazendo juízo sobre os deuses do Egito e sobre Faraó. (Ex 12).

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Saindo de Pessach (Páscoa) para Shavuot (Pentecostes)

Passamos pela festa de Pessach (páscoa) que nos chamou atenção, simbolicamente, da nossa saída do ‘egito’ (que representa o sistema do mundo que jaz em trevas, afastado de D´us) para a plena liberdade. A celebração da páscoa reforçou nossa lembrança que não somos mais escravos do pecado. Agora somos livres em Yeshua, mas não podemos nos esquecer que estamos ainda num processo de libertação, renovando nossos conceitos, pensamentos, nos livrando das prisões da mente, da alma. Sempre há ‘prisões’ interiores das quais precisamos ser livres. Sempre há algo ruim ou não perfeito em nós que precisa dar lugar à consolidação do caráter de Yeshua em nós.

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Os Anussim e seu retorno a Israel

MANIFESTO: Devem os Anussim Messiânicos se submeter ao processo de Conversão ortodoxo para regressarem a Israel e serem aceitos como Judeus?

Existem hoje algumas associações, sindicatos e outras entidades judaicas interessadas na restauração dos descendentes remanescentes dos judeus da inquisição, também conhecidos como B´nei Anussim (Filhos dos Forçados), Cristãos-Novos ou mesmo pelo termo pejorativo “marranos” que quer dizer “porco marrão”.

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

Chag Purim Sameach – 2011

No último dia 19/03 a Congregação Har Tzion esteve em Festa. Foi celebrada em grande estilo a Festa de Purim em memória a grande libertação do povo Judeu nos dias do rei Assuero por intermédio da Rainha Hadássa, ou como era conhecida na Pérsia, Ester. Há algumas tradições específicas que são guardadas nesta época, dentre elas o grande banquete, a oferta aos pobres e mais recentemente a vestimenta de fantasias para caracterizar um momento de alegria e celebração.

19.04.2012 . Por Matheus Zandona Guimarães

Formatura CATES/MJBI 2010

No último dia 16/12 a Congregação Har Tzion esteve em festa. Foi celebrada a grande formatura conjunta dos cursos do CATES (Centro Avançado de Teologia Ensinando de Sião) e também do MJBI (Messianic Jewish Bible Institute).

19.04.2012 . Por Marcelo M. Guimarães

A Igreja Cristã voltando para casa – Um sonho ou um desafio?

Em todos os meus livros, tenho repetido propositalmente uma sinopse sobre a
história da Igreja, mostrando o seu gradativo distanciamento da Igreja do Primeiro
Século, vivida por Yeshua e seus discípulos.
O grande desafio no momento, creio, é tentar restaurar a Igreja do primeiro
século, procurando saber como ela era, como funcionava, onde se reunia, o que pregava,
e como viviam Yeshua, seus apóstolos e discípulos. Além disso, qual era a relação deles
com a Torá e os livros dos Profetas?